Tudo Sobre Plantas 2.0 - Banco de Plantas

Curso de Hortas em Pequenos Espaços

Parceiros

ABFIT - Associação Brasileira de Fitoterapia
Agrobiológica - Soluções Naturais
Bionatur - Sementes Agroecológicas
Instituto Alachaster
Multiplica! - Cultivando a sabedoria da terra
Sobre a importância dos quintais, cada vez mais desaparecidos e, com isso, as nossas raízes também.



:: Blog Tudo Sobre Plantas ::

Comunidade no Facebook

Notícias via Twitter

Rede Solidária de Alimentos


Banco de Plantas Notáveis


:: Últimas espécies cadastradas ::

Durante o ano de 2002 iniciei uma pesquisa que avaliasse projetos sobre plantas, existentes na Internet, no intuito de desenvolver um projeto pessoal, que funcionasse como portfólio de trabalho como analista de sistemas.

Ao longo da pesquisa inicial, constatei que diversos sites estrangeiros estavam muito adiantados na pesquisa e publicação online de informações sobre as espécies nativas do Brasil.

Em destoante contraste, sites brasileiros mostravam-se incipientes de conteúdo, fotos e/ou dados fidedignos, sem comprovação científica, tornando difícil a busca por informações de usos, cultivo e cuidados sobre plantas.

Sites como Raintree, Plants For A Future, PlantSystematics, Mobot, e mesmo alguns recentes, como The Plant List, EOL ou a Lista de Espécies da Flora do Brasil, do JBRJ/ CRIA, apresentavam dados voltados para nichos específicos, com terminologia voltada para a pesquisa científica, sem nunca pretender aliar o conhecimento científico com a etnobotânica e descrever os usos empíricos e científicos com palavras e termos que pudessem ser entendidos também pelo internauta comum.

Desta percepção, de que o conhecimento científico necessitava de divulgação aprimorada e o uso popular precisava de comprovação através da divulgação de pesquisas científicas, nasceu o esboço do que viria a se tornar o projeto Tudo Sobre Plantas, com sua base de dados hoje denominada: Banco de Plantas Notáveis, voltada para o público leigo, pretendendo disseminar informações sobre plantas em linguagem popular.

Disponível a partir de dezembro de 2002, a base de dados é constantemente aprimorada e atualizada. São atualmente 76 descritores que abrangem a maior parte dos usos, formas de cultivo, cuidados específicos e chaves para identificação. O projeto cresceu e tornou-se uma importante ferramenta de pesquisa e divulgação de informações sobre plantas.

Atualmente disponível



A base de dados possui em registros cerca de 8.452 autores, 380 famílias, 2.503 gêneros, 1.186 termos do glossário e 50.728 espécies cadastradas que podem ser acessadas e pesquisados por:

  • nome popular;
  • nome científico;
  • família (Cronquist) ;
  • características ("tags");
  • palavras genéricas, como nomes de doenças, termos taxonômicos, características morfológicas etc;
  • além de listagens específicas como espécies florescendo ou frutificando(1) no mês.
Características principais



  • Fichas de espécies com termos disponíveis no glossário destacados, para fácil consulta através de janela modal e bibliografia consultada;

  • Fotos do todo ou partes da espécie, incluindo visão geral, folha, flor, fruto, caule, copa, ilustração botânica, estruturas secretoras, raízes, sementes etc.

  • Comentários de visitantes e usuários nas fichas das espécies;

  • Pesquisador(es) que atualizaram os dados da ficha de cada espécie;

  • Para usuários do portal: armazenamento de espécies marcadas como favoritas, coleção particular, levantamento e futuramente para troca através de nosso Banco de Sementes.

  • Para pesquisadores voluntários: edição online com envio de fotos.
Direitos autorais


Este projeto é desenvolvido e mantido por seu criador, Anderson C. Porto, analista de sistemas, fotógrafo amador, poeta, amante da Natureza e curioso por conhecer e ajudar a difundir todos os usos de plantas no Brasil e no mundo.

Entretanto, o projeto não funciona sozinho e grande parte das pesquisas foi repassada por pesquisadores voluntários, através de nosso grupo de estudos, também mantido desde 2002.

Nosso grupo é composto por professores, profissionais de áreas ligadas a plantas, donas de casa, colecionadores, estudantes, curiosos, mateiros, fitoterapeutas, antropólogos, botânicos, biólogos etc.

O banco de dados foi gerado e construído a partir da união destes conhecimentos. É uma ferramenta multi-disciplinar, englobando dados antropogênicos, empíricos e científicos.

Fotos pertencem a cada um de seus autores. Além do mais, cadastramos informações advindas de diversas fontes, incluindo livros, revistas especializadas, teses de mestrado, websites cujo foco principal seja plantas.

O que fazemos é cadastrar as informações em um só lugar para que possa ser compartilhado e acessado por todos, de forma livre e gratuita.


Notas:

  • (1) Para efeitos práticos, a fenologia apresentada se refere apenas ao Brasil, como um todo;
  • (2) Ajuda com os custos de hospedagem e crescimento do projeto, através de cadastro como colaborador ou patrocinador;

Para saber mais sobre estes assuntos, acesse nosso grupo de estudos.

No desenvolvimento, implementação e atualização do banco de dados, várias metodologias foram utilizadas e ao longo do tempo aprimoradas.

Como é feito o cadastro das espécies?


Tudo começa com o cadastro do nome científico da espécie. É imprescindível identifcar as espécies pelo nome científico porque ele é único; já nomes populares podem variar de região para região, ou mesmo várias espécies diferentes podem ter o mesmo nome popular.

  1. Primeiro verificamos se o nome está devidamente validado na base de dados Tropicus. Caso seja necessário, pesquisamos também em outras bases de dados de certificação de nomes, como o projeto The Plant List;

  2. Após nos certificarmos de que o nome científico está correto e validado, cadastramos a família em que a espécie está inserida.(3). Optamos por manter a classificação antiga (Cronquist) e a nova (APG II), para ajudar na pesquisa de como a espécie era classificada no passado;

  3. Identificada a família, iniciamos uma busca pelos nomes pelos quais a espécie é conhecida popularmente. Quando não disponível facilmente na Internet, pesquisamos em nossa biblioteca, atualmente com cerca de15 livros mais usados de 112 no total (Pio Corrêa, Balbach, José Abreu de Matos, Lorenzi etc);

  4. O próximo passo é identificar visualmente a espécie, através de fotos de partes da planta, para que ajude em comparações e identificações.

    Possuímos um acervo de mais de 60 mil fotos de plantas, mas como a maioria não está identificada, utilizamos o Google Imagens para buscar por fotos das espécies. As que possuímos são enviadas para o banco de dados e ficam disponíveis para o público em geral. As que não, baixamos da Internet e publicamos com os devidos créditos, sempre quando é possível identificar o autor;

  5. A seguir, procurar cadastrar todas as informações disponíveis da espécie, relativas a morfologia, plantio, cultivo, colheita, reprodução, propriedades, utilização ecologia, etnobotânica etc, sempre inserindo a bibliografia utilizada como referência.

    Esta é a parte mais difícil, pois nem todas as informações estão disponíveis.

    Para poder mensurar o quanto que uma ficha está perto de ficar completa, publicamos um percentual no lado direito da ficha de cada espécie, que representa o percentual de descritores preenchidos daquela espécie. Todos os 76 descritores representam 100%.
Diferencial


O Banco de Plantas Notáveis é um projeto de banco "circular", isto é, todas as palavras de cada ficha são automaticamente indexadas e relacionadas com o Glossário de Termos.

Ao clicar em algum termo destacado, é aberto uma janela para exibir o significado daquele termo. As palavras do glossário também são indexadas e termos destacados na janela também podem ser consultados.

Caso o usuário clique no termo principal dentro da janela, o sistema lista todas as espécies que possuem aquele termo cadastrado.

O projeto foi feito propositalmente desta maneira, para que qualquer um possa aprender ou relembrar o significado de termos utilizados nos descritores. Quando possível, é exibida uma imagem ilustrativa do termo, para melhor entendimento.

Comentários


É possível inserir, nas fichas de espécies, comentários com informações, dúvidas ou sugestões.

Desta forma, estimulamos o acréscimo de dados que possam ser de alguma utilidade, como dicas sobre germinação de sementes, como fazer mudas, correções ou mesmo solicitações de mais informações da espécie onde for inserido o comentário.


Notas:

  • (3) Até 2010 cadastrávamos somente a família pelo Sistema de Cronquist.

    "O sistema de Cronquist é um esquema de classificação para as plantas com flor (angiospérmicas). Este sistema foi desenvolvido por Arthur Cronquist (1919-1992) nos seus textos: An Integrated System of Classification of Flowering Plants (1981) e The Evolution and Classification of Flowering Plants (1968; segunda edição, 1988).

    O sistema de Cronquist coloca as plantas com flor em duas classes amplas, monocotiledóneas e dicotiledóneas. As ordens relacionadas estão colocadas em subclasses." (Wikipédia)

    A partir de 2010 passamos a cadastrar as espécies mantendo a classificação de famílias pelo sistema de Cronquist e passamoa adotar também a classificação APG II;

    O Sistema de classificação APG II, sucessor do Sistema APG de 1998, é o mais moderno sistema para a classificação das angiospermas – segundo critérios filogenéticos -, publicado em 2003 por um vasto grupo de pesquisadores que se autodenominou "APG II" (do inglês Angiosperm Phylogeny Group, Grupo para a Filogenia das Angiospermas).

Aqui serão apresentados todos os pesquisadores que participam da manutenção do banco de dados.

Como utilizar o acesso remoto, edição de dados, links para fichas e direitos de imagens.


CSS válido!